Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Acreditava-se outrora que a terra submarina descia em suave pendor a partir de todas as costas até vastas planícies incaracterísticas que constituíam os fundos dos oceanos. A ignorância sobre o escuro e profundo «espaço interior» da Terra era compreensível. Até épocas recentes, o único processo que permitia sondar as profundidades consistia em lançar à água linhas com pesos suspensos até elas tocarem no fundo.

01_02.jpgF68C7332-73D9-4D10-A8DD-54316BCFF0C0Origi

Atualmente, as profundidades são medidas por ecossondagem. Impulsos ultra-sónicos transmitidos de navios atingem rapidamente o fundo do mar, onde se refletem, após o que são de novo captados. As profundidades exatas são rapidamente calculadas através da medição do tempo que decorre até que o eco chega ao navio. É ainda possível baixar até às profundidades câmaras de televisão que transmitem imagens exatas do fundo do oceano.

 

Com base na informação recolhida por estes e outros métodos, sabe-se atualmente que vastas extensões dos fundos oceânicos são efetivamente planas – as chamadas planícies abissais – e estão cobertas por espessos depósitos de sedimentos que caíram lentamente das águas superficiais. Contudo, e em todo o lado, o fundo oceânico é tão variado como os continentes – perfurado por grandes vulcões, cruzado por cordilheiras e desfiladeiros.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D