Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A partir do 4º milénio antes de Cristo, os Egípcios cultivam o maior oásis do mundo, fita verde no coração do mais árido deserto de África.

Nilo_faluca_Assua_13-05.jpg

«O Egito é um dom do Nilo», escreverá o historiador grego Heródoto a propósito deste país que conheceu a mais longa civilização da história.

 

Prodígio inexplicado até ao século XIX da nossa era, o Nilo, cujas nascentes se encontram na zona equatorial, cresce de tal modo durante a estação das chuvas que todos os verões alaga os vales do Sudão e do Egito. Ao retirarem-se, as águas deixam um lodo fértil. A irrigação é então possível ao longo de todo o ano graças a uma organização minuciosa tão antiga como a civilização egípcia.

 

Os Egípcios agradecem escrupulosamente a Hâpî, o deus do Nilo, porque, se a cheia não for suficientemente grande, a fome e a penúria ameaçam todo o país.

Autoria e outros dados (tags, etc)

No sítio de Tróia, na atual Turquia, desenvolveram-se diversas cidades, umas por cima das outras. A segunda camada atesta o poder da cidade anatólia que dominava a entrada dos Dardanelos por volta de 2500 a.C.: uma cidade dotada de várias portas, muralhas com vários metros de espessura, numerosos palácios construídos em redor de pátios com pórticos.

1200px-Walls_of_Troy_(2).jpg

Foi aí que o arqueólogo alemão Schliemann encontrou aquilo que julgou ser o «tesouro de Príamo», testemunho da riqueza da cidade e da habilidade dos seus joalheiros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

No 3º milénio antes de Cristo, os homens que vivem nas margens do mar Egeu sabem fabricar vasos de cerâmica, que decoram com uma espécie de pintura.

4222f38278efe2d6f715fe3dd00a1eb1.jpg

É também a época em que Creta desenvolve uma civilização original, chamada «minóica», que ignora a escrita mas que, muito antes da Mesopotâmia, conhece os metais: o ouro, o chumbo, a prata e o cobre, como o prova a mitologia da ilha, onde os titãs, deuses-ferreiros, desempenham um papel importante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Luís Filipe Vieira anunciou o já famoso gabinete de crise do Benfica no meio de alguns berros e algumas ameaças, ao bom estilo de uma peixeira do Bolhão. Mas para que serve este gabinete de crise?

img_770x433$2016_12_01_21_24_23_1191804.jpg

Primeiro de tudo, o nome adequado para esta nova entidade deveria ser gabinete de intimação, porque esse é o motor básico da sua existência: intimidar todos aqueles que falam sobre o processo e-toupeira para que pensem bem antes de falarem e, consequentemente, falarem pouco e sob um clima de provável processo na caixa de correio dos amedontrados.

 

É muito engraçado o Benfica chegar a este ponto. Triste? Não, engraçado mesmo. O final de todos estes processos que se abateram sobre o estado da luz irão certamente mostrar onde realmente se encontra a tristeza, de uma vez por todas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

No início do 3º milénio antes da nossa era, as populações que ocupam a América estão lá instaladas há cerca de 40 000 anos. Vindos da Europa pelo estreito de Bering, pequenos grupos de homens começaram por viver a rude existência dos caçadores-recolectores do Paleolítico antes de descobrirem a cultura do milho, confirmada em alguns lugares a partir de 3200 a.C.

amazonianhunting_175ttqi-175ttsi.jpg

Alguns séculos mais tarde, na floresta amazónica, estes índios cultivam tubérculos com utensílios rudimentares: enxós e paus para escavar.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pág. 1/8



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D